A constante evolução das tecnologias aplicadas nos processos empresariais vem tomando uma proporção decisiva para líderes e profissionais do setor de TI. Em um simpósio realizado no final do ano passado, o Portal Gartner apresentou as principais “Tendências Tecnológicas Estratégicas”, que afetarão grande parte das organizações no decorrer de 2018.

Essas tendências podem ser definidas aqui como segmentos recentes com potencial elevado ou setores que apresentam uma evolução acelerada nos últimos anos.

Algumas dessas tendências, como a Inteligência Artificial, as Realidades Virtuais e Aumentadas e a “Internet das Coisas” são avanços que todos os profissionais da área de TI devem manter em seus radares permanentemente. Além disso, a lista inclui também segmento relacionados à integração dos ambientes físicos com os virtuais e a maior conectividade entre pessoas, empresas, dispositivos e serviços. Confira os principais pontos do simpósio:

01 – Reforço dos Alicerces da Inteligência Artificial

Até pelo menos o ano de 2020, um dos principais desafios dos fabricantes de tecnologia será o desenvolvimento de sistemas que, além de aprender, deverão se adaptar e agir de maneira autônoma, contribuindo de maneira exponencial para a tomada de decisões dentro das organizações. Será cada vez mais imprescindível que os profissionais invistam de maneira significativa em suas competências, processos e ferramentas para explorar cada vez mais essas técnicas.

02 – Inteligência de Aplicações e Análises

Da mesma maneira que a IA sofrerá evoluções significativas, as aplicações e serviços acompanharão essa tendência. Grande parte dessas funções incorporará algum tipo de Inteligência Artificial. Esses apps inteligentes transformarão a natureza do trabalho e a própria estrutura das organizações, afetando inclusive a gestão do negócio (ERP).

03 – Internet de TODAS as Coisas

Aqui, temos mais um item que acompanha a evolução da IA, que contribui cada vez mais para o desenvolvimento de coisas inteligentes (automóveis, robôs, drones, etc.)

Apesar de ainda estar em processo de desenvolvimento e melhoria, a utilização de veículos autônomos em ambientes controlados já é uma tendência, seja em testes em metrópoles ou na agricultura e mineração. Embora muitos especialistas ainda acreditem que, pelo menos no início, esses veículos deverão contar com um condutor presente no caso de falha inesperada, já podemos ver um passo rumo à uma tecnologia semi-autônoma em nossas culturas.

04 – Gêmeos Digitais

Esse conceito pode ser definido como a presença digital de uma entidade, organização ou sistema tangível no mundo real. Essa conexão permite a troca de informação mais rápida, um intervalo menor de mudanças, a melhoria nas operações e processos e um crescimento exponencial de valor agregado.

Com o passar dos anos, existirão representações virtuais de praticamente todos os aspectos do nosso mundo real, e com o auxílio da Inteligência Artificial, permitirão simulações, operações e análises em nível avançado.

05 – Cloud to the Edge

O conceito de Edge Computing diz respeito às infraestruturas onde o processamento, a coleta e a distribuição de dados são realizados próximos à fonte. Devido aos imensos desafios relacionados à conectividade e tempo de latência, essa estrutura vem ganhando espaço entre as organizações. Inicialmente vista como uma concorrente do modelo Cloud, essa aplicação pode na verdade atuar de maneira complementar, nos processos distribuídos e desconectados ou descentralizados da plataforma Cloud principal.

06 – Plataformas de Conversação

Uma das principais revoluções em nossa interação com o mundo digital, o desenvolvimento e a evolução de plataformas de interpretação e conversação trará uma quebra imensa de paradigmas na forma como interagimos com os sistemas. Ainda em processo de aperfeiçoamento, o grande desafio dessa tecnologia é se livrar da frustração de alguns usuários com as comunicações extremamente estruturadas, que ainda colocam barreiras para uma comunicação mais ágil e descomplicada.

07 – Experiências Imersivas

Certamente uma das evoluções mais presentes no dia a dia dos usuários, as Realidades Virtual, Aumentada e até mesmo Mista transformaram a forma que entendemos e interagimos com o mundo digital. Embora os mercados específicos para essas tecnologias ainda estejam em fase inicial e muito fragmentados, o conceito dessa mistura de realidades vem ganhando força entre os principais desenvolvedores: nesse tipo de imersão, são combinadas as funcionalidades técnicas, permitindo não só o uso de dispositivos como capacetes e óculos como também smartphones e sensores de ambiente.

08 – Blockchain

A tecnologia que revolucionou a infraestrutura das criptomoedas ainda tem muito a crescer no que se refere a sua presença nos mais variados sistemas de registro. Inicialmente promovida para a indústria financeira, o potencial de aplicação inclui muitos outros setores como administração, saúde, indústria, mídia, entre outros. Apesar de uma promessa a longo prazo, será uma realidade presente nos próximos dois a três anos.

09 – Foco em Evento

Podemos definir como “Evento” como qualquer situação assinalada digitalmente, e que refletem alguma mudança de estado. Por exemplo, a conclusão de uma ordem de compra ou serviço. Com o advento da Inteligência Artificial, a Internet das Coisas e outras tecnologias, esses eventos organizacionais podem ser detectados de maneira muito mais ágil e analisados em maior profundidade. Esses modelos de negócios digitais criam também a demanda por mudança nos líderes em TI (responsáveis pelo planejamento) e nos arquitetos.

10 – Adaptação Contínua dos riscos e da confiança

Com ataques cada vez mais avançados e direcionados, as iniciativas de negócio digital devem adotar uma abordagem de avaliação contínua de risco e confiança, conhecida como CARTA, que permite uma tomada de decisões baseadas na confiança e também nos riscos reais com respostas e soluções adaptadas. Essas infraestruturas devem ser capazes de se adaptar em qualquer situação, avaliando as oportunidades e gerindo os riscos em tempo real. Como parte dessa abordagem, uma das principais barreiras a serem quebradas são entre as equipes de segurança e a de aplicações, trazendo uma evolução na interação entre o desenvolvimento e as operações.

Como podemos perceber, o avanço e o desenvolvimento promovido por cada uma dessas tecnologias e a integração de aplicação entre elas pode proporcionar inúmeros benefícios para o desenvolvimento, os processos e os resultados nas organizações. Como profissionais de TI, devemos estar atentos as oportunidades e investir de maneira assertiva nas competências que podem permitir a atuação em cada uma dessas vertentes. Assim, estaremos prontos para fornecer as respostas certas para as demandas do mercado.

Posts recentes

Deixe um comentário