Um dos relatórios mais aguardados do segmento, o Quadrante Mágico Gartner divide competidores em quatro áreas diferentes, em uma análise baseada na habilidade de entrega, visão de negócios, presença global, carteira de clientes e o índice de satisfação, além da parte técnica da plataforma, cases e funcionalidades.

Estar presente nessa lista, ainda mais entre os líderes, é uma imensa vantagem e uma poderosa ferramenta de marketing para os players. E por falar neles, uma das principais mudanças na edição desse ano foi a ausência de alguns nomes do Mercado de Cloud Pública: Virtustream, CenturyLink, Joyent, Rackspace, Interoute, Fujitsu, Skytap e NTT, todos presentes em avaliações anteriores e que, com os novos critérios, foram deixados de lado na lista de 2018.

Nessa avaliação, os líderes destacados são a AWS e a Microsoft, seguidos de maneira menos expressiva pelo Google. No panorama atual de mercado, o domínio dessas duas empresas reforça a tendência global em tecnologia e a alta expectativa sobre infraestrutura como serviço (IaaS) que vai muito além dos servidores e armazenamento.

Segundo a análise Gartner, “os clientes esperam também funcionalidades de gerenciamento, serviços de desenvolvimento e de infraestrutura de software na nuvem, incluindo capacidades de plataforma como serviço totalmente integradas. No momento atual, não existem mais visionários ou companhias desafiadoras no mercado. Apenas alguns líderes e players de nichos tomam a frente e ditam as tendências dos serviços em nuvem.”

Fonte: Portal Baguete

Fonte: Portal Baguete

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em um artigo publicado no mês passado, o site da Forbes listou algumas das principais lições que podemos retirar da edição 2018 do Quadrante Mágico. Confira alguns dos pontos citados:

  • Líder indiscutível na nuvem pública, a nuvem AWS é madura, se tornando uma escolha segura para muitas corporações, apesar da complexidade crescente na otimização de performance e custo.
  • A aposta da Microsoft em investimentos de cloud híbrida e em códigos abertos é vista com bons olhos pelas empresas. O forte compromisso da marca com os serviços em nuvem tem sido recompensado com um sucesso significativo no mercado, tornando-os uma alternativa viável à AWS.
  • A plataforma Google Cloud faz sua estreia dentro do quadrante de liderança, embora ainda precise reduzir a distância entre os dois competidores do topo. O grande diferencial da companhia são os profundos investimentos em analytics e nas linguagens de programação.

É interessante notarmos que essa edição do quadrante mágico de IaaS não apresentou novos nomes, com exceção dos seis players espalhados pela análise, não existem novidades. Embora alguns dos players presentes na área de nicho possam transitar para o quadrante visionário ou de liderança, existe a possibilidade de que novos entrantes não sejam vistos tão cedo no quadrante mágico relacionado a este segmento.

O ano de 2018 marca a consolidação do setor de Cloud Pública, uma década depois do seu lançamento. O segmento aparenta estar praticamente consolidado, com os players existentes competindo uns com os outros pela sua parcela do mercado. Além disso, o Quadrante Mágico reflete a mudança de paradigma atual dos consumidores, que não estão adotando a Cloud Pública por fatores como o autosserviço, automação e programabilidade – eles esperam um avanço maior na segurança, escalabilidade, manutenção e suporte.

Você pode fazer a leitura completa do artigo de análise da Forbes (em inglês) no link: https://bit.ly/2KuUBkw

Recommended Posts

Deixe um comentário